Retomar o tema da educação

Voltando ao tema da nossa “formação” enquanto mães (e pais), gostava de vos falar de um livro que tenho estado a ler. Chama-se “Os teus filhos de 1 aos 3 anos“, de Blanca Jordán de Urríes, e foi-me dado por uma amiga por saber que tenho duas filhas nestas idades. Já se sabe que, neste tema de educar os pais para serem ótimos pais, e educar os pais para educarem bem os filhos, não há ciências exatas, porque não há duas crianças iguais, nem mesmo as irmãs gémeas 🙂 Há muito que é intuitivo, e que se aprende vivendo, mas eu sou defensora de ter alguns bons recursos por perto (amigas com mais experiência, livros, etc.).

Partilho aqui algumas ideias que li e que me ficaram especialmente na cabeça até agora:

  • Se queremos educar a sério, não devemos estar muito preocupados em corrigir com pressa. Na educação dos nossos filhos, é preferível ir devagar, mas sermos firmes e constantes.
  • Devemos procurar estabelecer com os nossos filhos relações de autêntico afeto, sem gritos nem maus tratos, pois as atitudes agressivas podem tornar-se num ciclo vicioso.
  • Se gostamos dos nossos filhos (e gostamos MUITO), nunca os poderemos humilhar ou ferir no seu amor próprio ao corrigi-los. Pelo contrário, ter que os corrigir deve ser um momento de atenção da mãe ou do pai para com o filho, que se sentirá querido, por os pais perderem uns minutos a explicar o que deve ou não fazer.
  • Educação positiva (a frase que mais digo ao meu marido lá em casa!): dar relevo às boas ações, ou seja, louvar o aspeto positivo do comportamento do nosso filho.
  • Os nossos filhos precisam de saber que estamos contentes com eles, pois esse é o seu maior triunfo. Se louvamos as suas boas ações, eles sentem-se estimulados a manter o bom comportamento.
  • É preciso educar as crianças fazendo-as pensar sobre as coisas (fazer uma coisa “porque sim, porque eu mando”, deve ser muito raro, é preciso ter paciência e saber explicar).
  • Cada criança é diferente, e cabe aos pais conhecer cada filho e educá-lo nessa diferença (para um a segurança pode vir de os pais manifestarem que estão contentes com ele, e para o outro a segurança pode resultar de ter mais regras que o guiem).
  • Devemos evitar sempre as comparações. Uma criança pode chegar a ter muitos ciúmes do irmão a quem estão sempre a comparar, e ter complexos de inferioridade – os ciúmes costumam notar-se do mais velho para o mais novo se fazem uma grande diferença de idades, e do mais novo para o mais velho se fazem pouca diferença de idades (check!).

    Teresa: Top e Calças Wonder.It (trouxe do Kids Market) ♦ Botas Sacoor Brothers 
    Helena: Camisa Zara ♦ Calções Letras Bordadas (trouxe do Kids Market) ♦ Sapatos Pisamonas
    Matilde: Camisa Laranjinha ♦ Tapa fraldas Avó Tatá (era da Helena)♦ Sapatos Pisamonas


thumb_IMG_7471_1024

thumb_IMG_7633_1024
thumb_IMG_7416_1024 thumb_IMG_7463_1024
thumb_IMG_7398_1024 thumb_IMG_7491_1024 thumb_IMG_7571_1024 thumb_IMG_7460_1024
thumb_IMG_7411_1024

Escrever um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Instagram @monozigosisters_